Something old, something new, something borrowed and something blue

Tudo começou na Inglaterra, onde as mulheres tinham o hábito de seguir essa antiga tradição. “Algo velho, algo novo, algo emprestado e algo azul- Dizem que traz sorte ao casamento e o significado por trás de cada acessório e item, carrega valores importante e emocionais sobre a história de vida da noiva.

 

Something old

Representa os laços da noiva com o passado da família, é uma oportunidade de resgatar costumes e tradições familiares. Simboliza um vínculo eterno e a continuidade. Geralmente as noivas optam por algo herdado da mãe ou da avó – uma jóia, um terço, um véu, um acessório ou até mesmo um broche com uma foto antiga no bouquet.

 

Something new

 O algo novo significa o futuro dos noivos, otimismo e esperança para a nova vida a dois – Pode ser um acessório, o próprio vestido, um sapato ou uma lingerie – nessa hora, o importante é deixar a criatividade falar.

Something borrowed

A noiva deve pedir algo emprestado para uma amiga, amigo ou familiar que tem um relacionamento admirado por ela. A tradição diz ser um gesto o qual representa que a noiva nunca estará só, e poderá sempre contar com as pessoas ao seu redor. Uma possibilidade é atrelar o something borrowed com o something old, podendo unir algo antigo e algo emprestado no mesmo item.

 

Something blue

A cor azul simboliza amor, pureza e fidelidade na vida do casal. Pode ser utilizada em uma joia, no bouquet, ou de uma forma mais sútil – na sola dos sapatos e lingerie.

Se quiser seguir a tradição à risca, mais um item deverá ser inserido. Isso mesmo, uma moeda de prata deve ser colocada no sapato esquerdo da noiva ou do noivo.


“Something old, something new
Something borrowed, something blue
And a silver sixpence in her/him shoe.”
(e uma moeda de prata de seis tostões em seu sapato)

Gostaram do post? Compartilhe com a gente se você tem alguma tradição diferente e especial, ou opta pelas clássicas.

O importante é seguir seu coração e aproveitar este dia tão importante para colocar em prática suas próprias crenças e protocolos.